Policiais e Bombeiros militares iniciam manifestação por reajuste em MS

Policiais e Bombeiros militares iniciam manifestação por reajuste em MS

COMPARTILHAR
Categoria começa a se mobilizar no MS

A partir de decisão em assembleia geral realizada neste sábado (25) em Dourados, no dia 31 de maio, policiais e bombeiros militares devem ficar 24 horas com apenas parte do efetivo nas ruas como reivindicação pelo reajuste e incorporação de abono de R$ 200 ao salário. Com a decisão, o movimento vai deixar parte do efetivo nos quarteis por 24 horas, que pode ser definido como Operação Padrão pelas instituições.

A medida foi anunciada em nota da União dos Militares Estaduais de Mato Grosso do Sul, que em assembleia decidiram que no dia 31 de maio irão realizar a operação padrão durante 24 horas. Nesse período apenas parte do efetivo de plantão atenderá ocorrências nas ruas, o que representará drástica redução de efetivo em operação.

No mesmo dia, policiais militares e bombeiros inativos e de folga farão uma caminhada da sede do Comando-Geral da Polícia Militar até a Governadoria, no Parque dos Poderes em Campo Grande. Familiares dos militares também participarão da manifestação.

Ainda conforme a União dos Militares, as medidas são uma reinvindicação e um pedido de valorização aos policiais militares e bombeiros de todo o Estado. “Lutamos pela incorporação do abono de R$ 200, promessa já feita em anos anteriores, pela imediata reposição inflacionária constitucional dos últimos 12 meses, além da discussão das perdas acumuladas desde que a atual gestão assumiu o Executivo”, afirma a nota.

A nota é assinada pela Associação e Centro Social dos Policiais Militares e Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul, AME-MS (Associação dos Militares Estaduais de Mato Grosso do Sul), AOFMS (Associação dos Oficiais Militares de Mato Grosso do Sul) ASPRA-MS, (Associação de Praças de Mato Grosso Do Sul), ABM-MS (Associação dos Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul), APBM-MS (Associação dos Praças Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul), ABOI-MS (Associação dos Bombeiros Oficiais Inativos de Mato Grosso do Sul).

Até a finalização dessa reportagem, não foi possível contato com nenhum representante do governo, mesmo de sua comunicação social.