Policial preso por agressão à PRF deve ser recambiado para a Capital

Policial preso por agressão à PRF deve ser recambiado para a Capital

COMPARTILHAR
Equipamento apreendido no carro do policial juntamente com armas e rádio

A Corregedoria da Polícia Militar deverá instaurar procedimento administrativo para apurar a conduta do soldado Alisson, o “Pinduca”, preso nesta terça-feira (20), que se passou por agente da Polícia Federal ao abordar agentes da Polícia Rodoviária Federal – PRF, no município de Maracaju. Um irmão do policial chegou a ser detido e dois homens supostamente desconhecido fugiram.

Policiais do Núcleo de Inteligência da PRF (sem fardamento) estavam em um posto de combustíveis em Maracaju, no andamento de investigação sobre comboios de veículos com cigarros contrabandeados. A região, é definida como principal corredor utilizado pelos contrabandistas e bandos de apoio como batedores.

Em dado momento surgiu no pátio do posto, o soldado Alisson ou “Pinduca” acompanhado de três indivíduos, quando teria se “encasquetado” os as pessoas que não imaginavam serem policiais federais. Ele se apresentou como “agente federal” e diante da constatação de que os abordados eram da PRF partiu para agressão a um deles.

Houve luta, foi acionado apoio e o soldado preso em flagrante, o irmão detido e os outros fugiram. Alisson portava uma pistola .40, da carga da PM e uma espingarda calibre 12 além de carregar no Palio que ocupavam, um giroflex semelhante ao usados em carros policiais descaracterizados e com imã para fixação no teto, também conhecido como Kojak além de rádio transceptor VHF.

O preso foi inicialmente levado para a Polícia Civil em Maracaju e em seguida recambiado para a Polícia Federal em Dourados onde assinou flagrante. O soldado que já teve problemas acusado de envolvimento com contrabandistas de cigarro, deve ser removido para o Presídio Militar Estadual – PME, em Campo Grande à disposição da Justiça Federal.