Presidente Jair Bolsonaro volta a criticar a indústria da multa

Presidente Jair Bolsonaro volta a criticar a indústria da multa

COMPARTILHAR
Jair Bolsonaro em inauguração no Sul

Agência Brasil

Durante a cerimônia de inauguração de 47 km da duplicação da BR-116 em Pelotas, no Rio Grande do Sul, nesta segunda-feira, o presidente Jair Bolsonaro voltou a falar em indústria da multa. Ele disse que não se pode mais ter, por exemplo, radares ao final de descidas justamente para multar os motoristas. E anunciou: a partir da semana que vem não vai ter mais radares móveis no Brasil.

Em sua fala, Bolsonaro reafirmou algumas mudanças das propostas no Código Brasileiro de Trânsito como aumentar a validade da Carteira Nacional de Habilitação de 5 para 10 anos. O presidente disse ainda que o atestado de saúde para renovação da CNH não vai precisar mais ser emitido somente por clinicas credenciadas, podendo ser feito por qualquer médico.

E para atender em grande parte os caminhoneiros, Bolsonaro citou a alteração de 20 para 40, o limite máximo de pontos que um motorista pode acumular, em até 12 meses, sem perder a licença para dirigir. Sobre a ampliação da rodovia, o presidente afirmou que o Ministro da Economia, Paulo Guedes, garantiu mais 100 milhões de reais para a conclusão de mais um trecho de 55 km da BR 116.

O presidente ressaltou também que mesmo com os investimentos em rodovias, o governo está priorizando a malha ferroviária no Brasil. E comentou sobre a assinatura de um contrato para de concessão de um ano e meio para um trecho de mais de mil quilômetros em ferrovia que sai do Nordeste, passa por Tocantins, Goiás para terminar no porto de Santos em São Paulo.