Procon Estadual propõe acordo a banco de fomento para ressarcir consumidores

Procon Estadual propõe acordo a banco de fomento para ressarcir consumidores

COMPARTILHAR

Tendo em vista o elevado número de reclamações formalizadas por consumidores, principalmente aposentados, que se sentem prejudicados com a liberação de valores a título de empréstimos consignados não autorizados e dos quais só tomam conhecimento ao verificarem suas contas bancárias, a Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS, por meio de reunião por teleconferência, formalizou proposta de acordo com o Banco C6 Consignado S.A. (Ficsa) durante a qual sugeriu medidas que venham sanar os prejuízos.

Durante a conversa entre o superintendente do Procon Estadual e diretores do banco ficou acertado que serão realizados estudos em caráter de urgência visando a devolução imediata ao banco, dos valores liberados aos consumidores que não solicitaram, não reconhecem e não aceitam os referidos empréstimos.

Entretanto, não se trata de devolução pura e simples. No ato do cancelamento da operação bancária, a organização de crédito deve deduzir dos valores a serem recuperados, percentuais que venham compensar o prejuízo a que as pessoas foram obrigadas ao terem de se deslocar aos bancos ou aos órgãos de defesa a procura de soluções.

Para se ter ideia da necessidade de acordo, somente em relação ao Banco C 6 Consignados S.A. (Ficsa) foram registradas 156 reclamações no período de 1º de janeiro de 2020 a 7 de janeiro de 2021 o que levou o Procon Estadual a tomar a iniciativa de interpelar a direção da organização de crédito a tomar providências que promovam a suspensão dessa prática considerada abusiva e prejudicial aos cidadãos.

Da teleconferência participaram, além do superintendente do Procon Estadual e dos diretores do Banco C6 Consignados – Cláudio Vinicius e Paulo Machado – a coordenadora de Gestão de Processos Patrícia Mara da Silva, o coordenador de Atendimento, Orientação e Fiscalização Rodrigo Bezerra Vaz e a chefe de atendimento Indira Maluly.

Com Assessoria de Comunicação – Procon/MS