Programa Reviva Campo Grande sai do papel para transformar a região central...

Programa Reviva Campo Grande sai do papel para transformar a região central da Capital

COMPARTILHAR

Nesta terça-feira (15), a Prefeitura de Campo Grande lançou, oficialmente, o início das obras do Programa Reviva Campo Grande. A intervenção começa no cruzamento da Avenida Fernando Corrêa da Costa com a Rua 14 de Julho e segue até a Avenida Mato Grosso. Com o lançamento oficial, a Engepar – Engenharia e Participações Ltda, vencedora da licitação, já se prepara para mobilizar o maquinário, instalar os tapumes e iniciar os estudos para a intervenção.

O prefeito Marquinhos Trad pontuou que o projeto é fruto de quase uma década de trabalhos, mas que não sairia do papel sem o empenho da bancada sul-mato-grossense em Brasília e de sua equipe técnica. “É muito mais que um simples lançamento. É uma série de agradecimentos a atores e atrizes que hoje não estão aqui ao meu lado, mas que tiveram participação tão fundamental quanto estes que hoje aqui presenciam.

Eu falo dos ex-gestores, que também foram importantes para que este momento acontecesse. Do esforço do senador Pedro Chaves, da senadora Simone, do senador Moka e dos oitos deputados federais. Todos eles foram importantes nesta caminhada, nesta peregrinação que fizemos a Brasília. Agradeço também a Catiana (Catiana Sabadin, diretora-executiva de Planejamento e Gestão Estratégica). Essa menina que encantou a todos no BID, e foi graças a vontade de Deus e ao empenho e dedicação dela, que essa manhã acontece”, disse.

Para o prefeito, a obra, realizada no coração da cidade, vai deixar uma marca indelével. “Desde embutimento dos fios; acabar com a poluição visual; uso da tecnologia, com wi-fi; diminuição das faixas de rolamento para veículos; alargamento das calçadas; designer… Tudo o que você vê nos grandes países quando anda no Centro, e acha aquilo um shopping a céu aberto, você vai ter em Campo Grande”, declarou.

Relator do projeto, o senador Pedro Chaves disse estar muito feliz por participar do lançamento do Reviva Campo Grande. “Eu fui relator deste projeto e são U$ 56 milhões, que vai dar para o nosso prefeito, que é dinâmico, ótimo gestor, revitalizar totalmente o Centro, transformar em um verdadeiro centro de gastronomia, cultura. Fazer tudo aquilo que o campo-grandense precisa. Vai ser muito importante para Campo Grande e para o Mato Grosso do Sul”, disse.

Representando o governador Reinaldo Azambuja, Jaime Verruck, secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, frisou que a população será a maior beneficiada pelo projeto. “O comerciante está motivado, porque vai levar mais pessoas para o Centro. A população de Campo Grande gosta de ir ao Centro, gosta de comprar no centro, de ir ao Centro. Tem preço bom, tem concorrência. E agora, a Prefeitura, com esse projeto, traz a população de volta para o Centro e com certeza outros investidores virão. Com isso, traz uma nova vida para Campo Grande”, afirmou.

Já o secretário estadual de Administração, Carlos Alberto Assis, fez questão de parabenizar o prefeito Marquinhos pela visão de que Campo Grande é o Centro. “O Centro é referência para toda a cidade, e ele passou por um período de abandono. Esqueceram do Centro de Campo Grande. Lá na gestão do prefeito Nelsinho (Nelsinho Trad) começou o Reviva Centro e agora o prefeito Marquinhos finaliza e entrega esse anseio dos moradores, comerciantes e habitantes de Campo Grande. Isso vai dar uma nova dinâmica para a cidade de Campo Grande e fazer com que as pessoas voltem a frequentar o Centro. Parabéns a Prefeitura por enxergar e valorizar esse pedaço histórico da nossa cidade”, salientou.

Mais movimento

Presidente da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande, João Carlos Polidoro disse que a obra é esperada há décadas, e a expectativa é que as melhorias movimentem novamente a Rua 14 de Julho. “Nós temos uma 14 de Julho degradada, muito feia. O consumidor não se sente atraído para vir aqui fazer compra. Essa obra vai trazer uma 14 renovada. Vai trazer um certo conforto. As lojas vão poder se posicionar melhor, mexer nas fachadas, mudando o conceito que a gente tem hoje de loja de rua, com uma rua que realmente atraia. Hoje se você fizer qualquer promoção em uma 14 de julho, ela não atrai tanto quanto em outro grande centro de compra. Ela precisa dessa revitalização, colocada com espaço suficiente para o pedestre andar, porque não há atrativo hoje. Por isso vemos essa obra como emblemática”, afirmou.

O secretário municipal de governo Antônio Cézar Lacerda frisou que o local será um verdadeiro shopping center a céu aberto. “Nós começamos com essa obra a partir da Fernando Correa da Costa, vamos até a Mato Grosso, um trecho entre a Avenida Afonso Pena e Candido Mariano. Neste trecho as calçadas serão bem mais alargadas para passeios de pedestres nesse espaço. Com toda fiação, desde a Fernando Correa até a Avenida Mato Grosso, embutida. A Rua 14 de Julho expressará uma beleza com característica de primeiro mundo”, disse.

Durante as obras, que devem durar 20 meses, as lojas do comércio não vão fechar. A programação prevê que cada quadra ficará dois meses em obras. A coordenação do Programa está estudando, junto à Agetran, uma nova rota para os coletivos, que hoje circulam na Rua 14 de Julho, causando o mínimo de impacto possível no cotidiano dos usuários.