Projeto “Construção de Ideias Científicas e Tecnológicas” beneficia escolas no norte do...

Projeto “Construção de Ideias Científicas e Tecnológicas” beneficia escolas no norte do Estado

COMPARTILHAR

Com enfoque na bioeconomia, diversidade e riqueza para o desenvolvimento sustentável, a Coordenadoria Regional de Educação (CRE-4) de Coxim, colocou em prática uma importante iniciativa, neste mês de setembro. O projeto “1ª Construção de Ideias Científicas e Tecnológicas”, com subtema “Hortas”, envolveu estudantes matriculados em turmas de 9º ano do Ensino Fundamental e também do Ensino Médio em cinco unidades escolares localizadas na região norte do Estado.

O trabalho contou com a participação da Escola Estadual Santos Dumont, de Costa Rica, EE Francisco Ribeiro Soares, de Pedro Gomes, EE Silvio Ferreira, Coxim, EE Vergelino Mateus de Oliveira em Rio Verde de Mato Grosso e EE Thomaz Barbosa Rangel, também de Rio Verde de Mato Grosso. “A fórmula de sucesso dessa empreitada pode parecer simples, mas exige muita motivação e ações ininterruptas.

O sustento desta iniciativa é formado por professores, pesquisadores apaixonados pelo que fazem e pelo empenho dos estudantes de turmas do 9º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio que já conseguem compreender os benefícios da sustentabilidade e da bioeconomia”, disse a coordenadora da CRE-4, Maira de Quevedo.

A produção faz parte do cardápio na merenda da escola.

A implantação das hortas simbolizou um ponto de partida para incentivar grandes mudanças no comportamento dos estudantes e introduzir melhores práticas pedagógicas e de gestão ambiental nas escolas estaduais de Coxim, Rio Verde de Mato Grosso, Costa Rica e Pedro Gomes. No avanço do projeto foram incluídas ações como preparação de irrigação, criada pelos estudantes da EE Francisco Ribeiro Soares e da EE Silvio Ferreira, fazendo uso de equipamentos reciclados.

Envolveram ainda planejamento de canteiros e métodos de compostagem na EE Santos Dumont e EE Vergelino Mateus de Oliveira, onde também foi possível mudar a dinâmica da geração de lixo orgânico local, discernindo com mais clareza o que deve, ou não, ser descartado como “inservível”. Com o trabalho, os resíduos orgânicos são destinados à composteira e garantem adubo de excelente qualidade para os canteiros da horta. Um dos destaques ficou, também, para o espaço pensado pelos estudantes da EE Thomaz Barbosa Rangel, que envolve a questão social e ajuda na merenda escolar, além de ensinar o valor do meio ambiente.

Os professores formadores da CRE-4, Felipe Telles, Carolina Beccegato e Michele Vendruscolo, responsáveis pelo acompanhamento do desenvolvimento do Projeto, acreditam que a alternativa “horta”, selecionada pelos estudantes, poderá promover a educação ambiental, o desenvolvimento sustentável e a bioeconomia. Além disso, ela já serve como dispositivo desencadeador de atividades integradas, “pois a horta é um laboratório vivo para diferentes atividades envolvendo teoria e prática”, disse professor Felipe.

“Estes trabalhos são realizados através de simples ações e o aprendizado possibilita que os estudantes apliquem, em seus lares, os conhecimentos adquiridos, oferecendo vantagens para as comunidades”, finalizou professora formadora, Caroline Beccegato.

Fonte/Fotos: Secretaria de Estado de Educação