PT e CUT transferem para Curitiba a celebração do Dia do Trabalho

Apesar do ataque ao acampamento Marisa Letícia, do PT, em Curitiba, a programação da vigília Lula Livre está mantida. A ideia é que amanhã, durante o feriado em homenagem ao trabalhador, os principais nomes do partido façam discursos em prol da liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Além disso, uma gravação de Lula, de 1986 e nunca divulgada, será distribuída pelo país.

A segurança dos acampamentos no Paraná será reforçada, com câmeras para registrar a movimentação. Ontem, a advogada Márcia Koakoski, 42 anos, uma das feridas no ataque a tiros contra o acampamento pró-Lula, afirmou em um vídeo que ouviu pessoas fazendo ameaças de morte no local, antes dos disparos.

A assessoria de imprensa do PT no Paraná disse que a programação amanhã, Dia do Trabalhado, começa às 7h, com a concentração no terminal Boa Vista, próximo à sede da Polícia Federal. De lá, os manifestantes seguem para o edifício da PF, onde, diariamente, há uma rito conhecido como “bom dia, Lula” — quando todos dizem a frase aos gritos. Em carta à senadora Gleisi Hoffmann (PR), o ex-presidente afirmou que consegue ouvir seus apoiadores, e pediu para que eles continuem com a “tradição”.

Depois da “cerimônia”, haverá um ato ecumênico e, em seguida, todos caminharão para o Centro, às 14h, quando haverá ato na Praça Santos Andrade. A expectativa é de que a cúpula do partido fale em favor de Lula. No fim, shows de artistas locais e de grandes nomes nacionais, como Maria Gadu e Beth Carvalho, encerram a programação. A Polícia Militar do Paraná vai reforçar a segurança nos dois acampamentos e na vigília petista.

Discursos contra a reforma da Previdência e a reforma Trabalhista devem ser o ponto alto do evento, acredita a presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Paraná, Regina Cruz. “Essas coisas vão atrapalhar a vida da classe trabalhadora do país, que é quem nós representamos. Mas estamos felizes que a mobilização ocorrerá aqui, e não em São Paulo. A escolha do local ocorreu porque o maior líder sindical do Brasil, o presidente Lula, está na nossa cidade.”

O documentarista Celso Maldos liberou um vídeo inédito de Lula discursando em 1º de maio de 1986 para ser transmitido em telões. A escolha se deu por causa do momento político daquela época, pouco depois do fim da ditadura militar (que acabou em 1985). Lula encerra seu discurso dizendo “Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós”. A ideia do cineasta é fazer um link entre o passado e o presente, dando a entender que, hoje, também vivemos tempos de opressão.

“Quando um curitibano se queixar da nossa presença aqui, precisa se lembrar que foi uma escolha do Brasil. Vamos permanecer”, explicou o ex-deputado federal e presidente do PT de Curitiba, Florisvaldo Fier, conhecido como doutor Rosinha.

Relato

A advogada Márcia Koakoski contou que chegou no acampamento Marisa Letícia dois dias antes do ataque. Em depoimento emocionado, ela disse que “as pessoas acreditam que quem defende o Lula tem que morrer”. O vídeo, publicado por ela no YouTube, revela que todos estavam dormindo no acampamento — montado desde 7 de abril a 1km da sede da Polícia Federal, onde o ex-presidente está preso. Mas que, na madrugada de sábado, por volta das 2h, foram ouvidos gritos de pessoas fazendo ameaças e dos próprios seguranças (que são manifestantes que se revezam para vigiar os arredores).

Márcia ouviu os agressores gritando que voltariam para matar todas aquelas pessoas. Também ficou ferido no ataque o segurança voluntário Jeferson Lima de Menezes, que levou um tiro no pescoço. Ele está internado no Hospital do Trabalhador, mas já deixou a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Segundo relato de pessoas que o acompanham no hospital, a vítima está consciente. O estado de saúde é estável. Os médicos afirmaram que Jeferson não deve ficar com sequelas do tiro.

Vaquinha passa de R$ 530 mil

Em vídeo transmitido na página oficial do PT, militantes de Curitiba afirmam que a vaquinha virtual para financiar os acampamentos pró-Lula arrecadaram R$ 530 mil. Petistas querem agora aumentar a meta para R$ 1 milhão. “Todos os recursos serão usados para financiar a vida dos lutadores e lutadores que estão aqui em busca de liberdade para o presidente Lula e para a sociedade”, bradou o ex-deputado federal e presidente do PT no Paraná, Florisvaldo Fier, o doutor Rosinha. A maioria desse dinheiro é destinada à alimentação e segurança das pessoas que, desde 7 de abril, ocupam as ruas da capital paranaense.

Com Correio Braziliense

Compartilhe
Institucional

O Tempo MS News é um portal de notícias online que traz informações relevantes e atualizadas sobre o dia a dia do Mato Grosso do Sul. Com uma equipe de jornalistas experientes e comprometidos em levar ao público as notícias mais importantes do estado, o portal se destaca por oferecer conteúdo de qualidade em tempo real.

Entre em contato

(67) 0000-0000

[email protected]

© Tempo MS News - Todos os direitos reservados, design por Argo Soluções