Sem controle ou fiscalização, algumas tabacarias geram crimes na Capital

Sem controle ou fiscalização, algumas tabacarias geram crimes na Capital

COMPARTILHAR
Moradores não sabem mais o que fazer por conta do barulho (Foto:Direto das Ruas)

O aumento desenfreado de estabelecimentos denominados Tabacaria em Campo Grande, está transformando em terror a vida de moradores próximos a esses locais por conta de barulho infernal a noite toda, além de que muitos acabam servindo para concentração de criminosos e ocorrência de crimes. Na madrugada dessa quinta-feira (15), uma pessoa foi baleada por conta de confusão ocorrida em uma tabacaria existente na rua Da Divisão.

Em outra situação, moradores na Júlio de Castilho em área que abrange o Residencial Ana Maria do Couto, Centro de Formação da Polícia Militar – CEFAP e todo o entorno, há quase um mês denunciam a desordem na região por conta do funcionamento de uma tabacaria recém inaugurada na avenida. Na madrugada dessa quinta-feira (15) por exemplo, além de som extremamente alto na tabacaria e veículos parados no entorno, gritaria de homens e mulheres, o inferno das pessoas foi aumentado com “exibição” de motoqueiros com as mais variadas e barulhentas manobras.

Não adianta denunciar

Moradores na região reclamam e denunciam o que definem como omissão por parte da polícia e fiscalização. As pessoas denunciam que já reclamaram e pediram ajuda da polícia através do 190, mas a resposta é sempre de que uma equipe já está a caminho, ou orientação para que as pessoas acionem a Polícia Militar Ambiental por causa do barulho na Tabacaria Infinity.

Já na Polícia Militar Ambiental – PMA, quando alguém atende o telefone, o que é muito difícil, a orientação é para acionar o 190 pois “não há pessoal nem viatura”. A denúncia atinge também a Polícia Municipal que apesar de acionada várias vezes, não se manifesta.

Rua da Divisão

Mauro Luiz Gomes Arévalo (19), foi baleado após brigar com o atirador em uma tabacaria existente na Rua da Divisão, Bairro Parati, crime ocorrido nas proximidades do estabelecimento. Consta no registro policial do caso, que Mauro Luiz se envolveu em confusão com a pessoa até aqui identificada apenas como “Sequinho”, que seria morador do Jardim das Hortênsias. A briga, segundo o baleado, aconteceu por conta de cachaça.

Mauro conta que assim que saiu da tabacaria, foi surpreendido por “Sequinho” já atirando várias vezes em sua direção. Mauro foi ferido com dois tiros sendo socorrido por populares e levado para o Posto de Saúde Aero Rancho. O caso foi registrado na Depac-Piratininga.