Senador Nelsinho Trad apresenta projeto dando nome de Ueze Elias Zahran ao...

Senador Nelsinho Trad apresenta projeto dando nome de Ueze Elias Zahran ao Aeroporto Internacional de Campo Grande

COMPARTILHAR
Ueze Elias Zahran, vida de luta pelo Estado onde nasceu.

Às vésperas da inauguração das obras de reforma e ampliação do Aeroporto Internacional de Campo Grande, o senador Nelsinho Trad (PSD/MS) apresentou, nesta quarta-feira (4), o Projeto de Lei 2.695/21, que denomina o Aeroporto Internacional de Campo Grande Ueze Elias Zahran. A proposta foi aprovada ainda na sessão de ontem do Senado Federal. “Essa homenagem veio da ideia de prestar, aqui, uma consideração a um homem que nasceu em Bela Vista, na fronteira com o Paraguai, no dia 15 de agosto de 1924 e se tormou empresário de renome mundial em razão da sua visão de futuro e empreendedorismo”, discursou o parlamentar em Plenário.

O empresário Ueze Elias Zahran morreu em 27 de dezembro de 2018. Na data, o senador Nelsinho Trad postou nas redes sociais a foto do pai dele falecido, Nelson Trad, com Zahran e comentou que via o empresário como “tio”, alguém que deixou muita saudade.

Independentemente do lado afetivo, o senador Nelsinho Trad destacou que o empresário revolucionou a vida das donas de casa com os botijões de gás e trouxe entretenimento com sete emissoras em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. O senador Wellington Fagundes (PL/MT) foi designado o relator da matéria e, também, defendeu a proposta, enfatizando a importância da TV Centro América em Mato Grosso.

Da região, o senador Carlos Fávaro (PSD/MT) enfatizou a quantidade de pessoas que já tiveram formação profissional e empregos nas empresas da Rede Mato Grossense de Comunicação e Copagaz. O projeto foi aprovado por unanimidade e seguiu para a Câmara dos Deputados. “vou me reunir com o presidente Arthur Lira e pedir rapidez para a votação”, comentou o senador Nelsinho Trad.

Biografia de Ueze Elias Zahran

No início do século 20, seus pais vieram do Líbano. Ueze iniciou a vida profissional trabalhando com o pai em um bar, cuja maior renda vinha da torrefação de café. A família se desfez do negócio e constituiu uma padaria como principal fonte de renda. Ueze sempre quis ter a própria empresa e, com êxito, comprou uma empresa de torrefação, conseguindo autorização para que seu café fosse exportado de Campo Grande para a Argentina.

No entanto, uma questão diplomática entre os dois países inviabilizou a continuidade deste comércio e forçou o fim das atividades. A partir daí, o empresário se dedicou ao projeto do primeiro grande negócio da família Zahran, uma distribuidora de gás. Desde o início da criação da Petrobrás, surgiram as primeiras refinarias de petróleo do país. O processo de distribuição de GLP aumentava com o crescimento da comercialização do fogão a gás. Observando a incipiência deste produto nos lares das famílias do então estado do Mato Grosso, Ueze conseguiu autorização do Conselho Nacional de Petróleo e criou a Copagaz em 1955.

Inicialmente, passou a encher os tanques de gás em São Paulo para mandar por ferrovia para o então estado de Mato Grosso. Pouco tempo depois, em 1961, buscando a expansão do negócio, ampliou suas operações com uma engarrafadora na cidade de São Paulo. A Copagaz se tornaria, 60 anos depois, a quinta maior distribuidora de GLP do país. Não satisfeito e buscando expandir os negócios da família, Ueze viu na comunicação uma grande oportunidade de suprir a carência da comunidade do antigo Mato Grosso. Por volta de 1960, o país tinha apenas 26 emissoras de televisão.

Preencheu, portanto, os requisitos necessários para que pudesse participar de procedimento concorrencial para a concessão de canais de televisão. Logrou êxito e foi autorizado a constituir três emissoras geradoras que seriam lotadas em Campo Grande, Cuiabá e Corumbá. Desta forma, em 1965, juntamente com seus irmãos, Ueze inaugurou a TV Morena em Campo Grande, primeira emissora do antigo Mato Grosso.

Dois anos depois, inaugurou a TV Centro América, em Cuiabá, dando início a Rede Mato Grossense de Comunicação, que se tornou afiliada da Rede Globo em 1976. Ueze conquistou sete emissoras de TV, rádios e sites. A Rede Mato-grossense de Comunicação se tornou uma das maiores empresas do setor do país.

Ao longo de sua trajetória, Zahran recebeu uma série de prêmios e honrarias por seu trabalho incansável e persistente para o desenvolvimento do País, da ética nos negócios e o respeito aos colaboradores. Foi líder empresarial nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Entre seus vários títulos de cidadão, destaca-se o de Cidadão Paulistano pela Câmara Municipal de São Paulo, recebido em 2012, como reconhecimento ao que fez pelo desenvolvimento da cidade.

Em 2015, recebeu o título de Guardião dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, metas internacionais estabelecidas pela Cúpula do Milênio das Nações Unidas em 2000, após a adoção da Declaração do Milênio das Nações Unidas, em reconhecimento aos relevantes serviços e comprometimento com as causas sociais e ambientais.

O prêmio visa a ressaltar a contribuição dos setores público, privado e da sociedade civil para o alcance desses objetivos no estado. Ueze Zahran valorizou e divulgou a cultura brasileira, investindo no cinema nacional. Com seu patrocínio, a cineasta Ana Carolina produziu os filmes Das tripas coração (1982) e Sonho de valsa (1987); e Joel Pizzini produziu os curtas-metragens Enigma de um dia (1996) e Glauces – estudo de um rosto (1998). Ao longo de sua vida empresarial, Ueze investiu nos mais diversos ramos da economia, comércio, agronegócio, alimentação, cultura, telecomunicação, indústria e energia. Todavia, em todos os negócios constituídos, sempre priorizou a responsabilidade social.

Criou em 1999 a fundação Ueze Zahran que promove a educação para adultos, curso de computação para idosos e promoção cultural para jovens e crianças, dentre outras ações sociais. Engajou-se, também, por meio de um convênio com governos estaduais e a Copagaz, no programa SOS Crianças Desaparecidas. Até hoje, o projeto ajuda famílias a encontrar crianças desaparecidas, por meio da publicação e divulgação de fotos de crianças desaparecidas nas etiquetas dos botijões de gás.

Dezenas de crianças foram encontradas e voltaram para suas famílias a partir da campanha. É preciso registrar, ainda, que Ueze Zahran sempre teve como princípio oferecer qualidade de vida a seus trabalhadores, principalmente aqueles que não tiveram oportunidades de estudo. Para tanto, criou o programa de bolsas de estudo promovendo a possibilidade de uma grande transformação na vida de colaboradores oferecendo cursos de língua estrangeira, cursos de graduação, cursos de pós-graduação, educação Infantil para os filhos dos funcionários e alfabetização para quem não teve a chance de frequentar uma escola.

Em 2018, Ueze Elias Zahran faleceu aos 94 anos deixando um legado de pioneirismo. O homem de negócios que o Brasil e o mundo conheceram sempre foi um visionário com um olhar voltado para Mato Grosso e Mato Grosso do Sul marcando para sempre a história desses dois estados. “Dessa forma, por ser medida justa a homenagem, contamos com o apoio do Congresso Nacional para a aprovação desta matéria”, disse o senador Nelsinho Trad.

Em suas redes sociais, o senador Nelsinho Trad ressaltou que deseja eternizar a memória do empresário no local em que muita gente vai perguntar: quem foi Ueze Zahran? “Nós, sul-mato-grossenses, teremos o orgulho em responder: foi um grande homem que deixou muita saudade!”

Senador Nelsinho mostra no Projeto de Lei, a importância da homenagem a Ueze Zahran.

Com Assessoria/Neiba Ota