Senador Nelsinho Trad ministra palestra em comemoração aos 120 anos da Capital

Senador Nelsinho Trad ministra palestra em comemoração aos 120 anos da Capital

COMPARTILHAR

Em comemoração aos 120 anos de Campo Grande, o senador Nelsinho Trad ministrou palestra sobre Rota Bioceânica, na noite de quinta-feira (1º), no evento da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (Sedesc).

“Defendo esse projeto como prioridade no meu mandato, o corredor bioceânico vai encurtar 7.200 km marítimos de distância, será vantajoso para o Brasil e MS nas transações de agronegócios. É a conexão entre o Centro Oeste e o Paraguai, Argentina e Chile”, explicou o senador.

De acordo com o palestrante, o Corredor Rodoviário Bioceânico irá gerar novas oportunidades econômicas para Mato Grosso do Sul. “Os produtos chilenos, argentinos e paraguaios passarão a ingressar no Brasil por Porto Murtinho, Corumbá e Ponta Porã. Ou seja, não será unicamente pelo Sul do Brasil, mas também pelo Centro-Oeste. Os produtos da região chegarão aos mercados mais distantes a preços mais competitivos”, enfatizou o senador Nelsinho Trad.

Na palestra, o parlamentar justificou que haverá redução de 60% nos custos, segundo ele, conforme a Empresa de Planejamento e Logística (EPL). “Quando estiver em operação (2 a 3 anos), será possível transportar uma carga de MS a Antofagasta em dois a três dias, e embarcar o produto com destino à Asia. Evita-se congestionamento dos portos de Santos e Paranaguá e passagem pelo Estreito de Magalhães (perigoso) ou Canal do Panamá (caro)”, demonstrou o senador em imagens de slides.

O senador fez ainda a conta dessa economia. “A viagem entre Antofagasta e Xangai dura 35 dias, enquanto o deslocamento de Santos a Xangai consome 49 dias. Economizam-se 14 dias. O empresário de MS vai encontrar no Chile portos mais eficientes e menos congestionados do que no Brasil”, calculou.

A frequência de navios do Porto de Antofagasta para a China será de três a quatro por semana, segundo explicação do senador. “Frete reduzido em relação aos portos brasileiros: de U$ 2.300 para U$ 1.520 por um contêiner de 20 pés”, exemplificou.

A grande maioria das importações chilenas (60%) ingressa no Brasil pelos portos de Santos, Paranaguá e São Francisco do Sul. “Quando se destina a Campo Grande, essa mercadoria é transportada através de São Borja ou Uruguaiana (RS) por 4.516 km. Pela Rota Bioceânica, com mesma origem e destino, a distância será reduzida quase pela metade = 2.396 km”.

Assim, para o senador Nelsinho Trad, Mato Grosso do Sul terá avanço com destaque nacional. “Redistribuirá insumos e produtos para o Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Além disso, insumos importados poderão ser transformados em produtos finais no Estado, gerando novas oportunidades de negócios e empregos”, destacou.

Logística eficiente

A Rota Bioceânica não irá apenas oferecer alternativa mais eficiente e barata para o transporte de carga. O novo corredor vai representar mudança na logística nacional e regional. “Será possível utilizar o Porto Seco de Perico, no Norte da Argentina, ou o futuro Porto Seco de Campo Grande. Não seria mais necessário levar a carga para ser nacionalizada em Buenos Aires ou Santos, será a diversificação de processos de internacionalização das mercadorias, contornando gargalos atuais. Como por exemplo: levar a carga por rodovia até Salta e destiná-la a Buenos Aires por ferrovia; Explorar voos de carga que decolam de Salta/Jujuy para os Estados Unidos; Trazer carga do norte do Chile e redistribuí-la para o Norte do Brasil a partir de Campo Grande”, justificou o senador Nelsinho Trad.

Com Assessoria/Neiba Ota