Senador Nelsinho Trad participa de sessão remota

Senador Nelsinho Trad participa de sessão remota

COMPARTILHAR
Senador Nelsinho na atividade após 18 dia.

Depois de 18 dias afastado das atividades após ter contraído o coronavírus, hoje o senador Nelsinho Trad participou da sessão remota do Senado Federal. De casa, em Brasília, o parlamentar sul-mato-grossense agradeceu o carinho dos colegas senadores pela internet. “Obrigado, gente. Obrigado mesmo!”, destacou.

Atento às discussões, o senador votou nesta segunda-feira (30) o projeto (PL 1066/2020) que prevê auxílio de R$ 600 para trabalhadores informais. Outra proposta na pauta de hoje (PL 786/2020) foi a distribuição de alimentos da merenda escolar às famílias dos estudantes que tiveram suspensas as aulas na rede pública após a epidemia do coronavírus. Os dois projetos já foram aprovados pela Câmara dos Deputados e foram votados nesta segunda-feira pelos senadores. “Aos poucos vamos retomando ao trabalho e, hoje, não poderia deixar de dar o meu apoio e o meu voto a dois projetos muito importantes: auxílio emergencial a trabalhadores informais e fornecimento de merenda escolar durante quarentena”, escreveu o senador, em suas redes sociais.

Como médico e, também, ainda em recuperação, o senador Nelsinho Trad faz recomendações para o enfrentamento da proliferação do coronavírus. “As pessoas precisam ficar em casa para evitar a propagação do vírus e também necessitam de suporte para que consigam suprir suas necessidades básicas. Agradeço a todos os amigos senadores pelo carinho que tiveram comigo! Vamos juntos, todos unidos para superar esta pandemia”, destacou o senador, em suas redes sociais.

Terça-feira

De acordo com Agência Senado, os líderes decidiram votar o texto sobre o auxílio como veio da Câmara dos Deputados para que seja sancionado e comece a valer o quanto antes. Na terça-feira (31), os senadores devem analisar outro projeto para incluir categorias que não estão contempladas na lista de profissionais que terão direito ao auxílio.

Senador reitera que pessoas fiquem em casa. (Divulgação)

Com Assessoria/Neiba Ota