Senai já consertou 52 respiradores hospitalares, entregou 25 e aguarda calibração de...

Senai já consertou 52 respiradores hospitalares, entregou 25 e aguarda calibração de mais 27

COMPARTILHAR

Com uma média de manutenção de 2,5 respiradores hospitalares por dia, o Senai de Mato Grosso do Sul concluiu os reparos de 52 dos 70 equipamentos que foram recebidos no início de abril, 25 já foram entregues aos hospitais e 27 aguardam a calibração para serem utilizados. A ação, fruto de parceria entre Fiems, Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e Energisa, teve como objetivo auxiliar os municípios no combate ao novo coronavírus (Covid-19) e equipar os hospitais do Estado para atenderem os pacientes diagnosticados com a doença.

Segundo o diretor-regional do Senai, Rodolpho Caesar Mangialardo, a instituição tem trabalhado no intuito de ajudar a salvar vidas. “Cada respirador que conseguimos reparar é pelo menos mais uma vida que ajudamos a salvar no Estado. Fizemos algumas adaptações para conseguirmos reparar esses equipamentos, coisa que nunca havíamos feito antes, e nossa equipe conseguiu executar o trabalho com a qualidade de sempre. Nosso objetivo aqui é ajudar a sociedade”, afirmou.

O gerente do Senai Empresa, Thales Saad, explica que todos os respiradores que poderiam ser consertados já tiveram os reparos feitos. “Desses 70 que recebemos, 18 não tinham condições de reparo, seja por falta de peças, seja porque o custo da manutenção era 50% maior que o valor de um respirador novo. Então utilizamos como sucata e aproveitamos algumas peças para consertar outros, que também precisariam de peças novas”, comentou.

Ele ressalta que o trabalho envolve técnicos do Senai Empresa e instrutores do Senai de Campo Grande e tem sido produtivo, sem apresentar grandes desafios. “Quando assumimos essa parceria, tivemos um pouco de receio porque apesar de toda a nossa expertise com manutenção de máquinas, nunca havíamos trabalhado com respiradores hospitalares, então ficamos um pouco apreensivos no começo, mas depois de 15 dias todo mundo já tinha pegado o jeito e trabalho fluiu de uma forma muito eficiente”, destacou.

Para ajudar a equipe, cinco voluntários que já haviam trabalhado com equipamentos hospitalares se disponibilizaram a ajudar. “Acredito que ter essas pessoas aqui, para ajudar e trocar experiências, foi fundamental. Principalmente porque nós tivemos um estudo inicial dos manuais técnicos, mas a experiência desses voluntários foi de extrema importância para realizarmos os testes de simulação para garantir que esses respiradores fossem encaminhados para a calibração devidamente reparados. Agora esperamos que nos próximos 15 dias tenhamos concluído a calibração e entrega de todos os equipamentos”, finalizou o gerente do Senai Empresa.

Com Assessoria