Sinduscon doa mil máscaras de tecido para indústrias da construção civil do...

Sinduscon doa mil máscaras de tecido para indústrias da construção civil do Estado

COMPARTILHAR

Em reforço às ações de prevenção do novo coronavírus (Covid-19) nas indústrias de Mato Grosso do Sul desenvolvidas pelo Sistema Fiems, o Sinduscon/MS (Sindicato Intermunicipal da Indústria da Construção do Estado) iniciou, nesta segunda-feira (15/06), a distribuição de mil máscaras de tecido para sete construtoras que atuam no Estado.

O presidente do Sinduscon/MS, Amarildo Miranda Melo, realizou a entrega simbólica das máscaras à Plaenge, Vanguart e HVM Incorporações, beneficiando 650 colaboradores que atuam no canteiro de obras somente destas empresas. Também vão receber as máscaras do Sinduscon/MS, que foram adquiridas pelo Sistema Fiems, as construtoras VBC, Transenge, Ideal Incorporações e Taurus.

“O empresário da construção civil, ao planejar o custo de uma obra, não contabilizou os gastos com a aquisição de máscaras para distribuir aos colaboradores, o que, com certeza, extrapolou o orçamento inicial. Por isso, essa ação da Fiems é um apoio importante, que vai ser fundamental para as empresas e para a segurança dos trabalhadores”, disse Amarildo Miranda Melo.

Ele reforça que, desde o início da pandemia da Covid-19, a CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), ao uniformizar os procedimentos de segurança nos canteiros de obras do país, apontou o uso da máscara como uma maneira eficaz de contenção do vírus. Engenheiro de segurança do trabalho da Plaenge e Vanguard, Alexandre Lindemberg destaca que uso da máscara é um procedimento obrigatório aos trabalhadores do setor.

“Voltamos a funcionar desde a edição do decreto municipal que liberou a atividade nos canteiros de obras em Campo Grande e não tivemos nenhum caso de Covid entre os nossos colaboradores. Acreditamos que muito disso se deve a estes cuidados que estamos tomando, como a exigência da máscara”, pontuou Alexandre Lindemberg.

Diretora financeira da HVM, Aline Bueno acrescenta que, para além do uso obrigatório da máscara, foi disseminada uma cultura de prevenção dentro dos canteiros. “Por meio de palestras, visitas de médicos e designação de um colaborador somente para verificar se todos estão fazendo o uso da máscara, acredito que esta seja uma postura que já se tornou automática entre os trabalhadores. E quanto mais máscaras eles tiverem, melhor, porque dentro de um canteiro de obras a necessidade de troca é constante”, analisou.

O Sistema Fiems encomendou 500 mil máscaras da indústria têxtil local, que estão sendo distribuídas para a população dos municípios do Estado. De acordo com o presidente Sérgio Longen, a meta é que pelo menos 30% dos moradores das cidades com mais casos da Covid-19 recebam essas máscaras. Além de movimentar a economia da indústria, mantendo empregos e gerando renda para as famílias, a Federação procura auxiliar no combate ao novo coronavírus.

Com Assessoria