Suposto traficante baleado no Paraguai usava identidade brasileira com nome diferente

Suposto traficante baleado no Paraguai usava identidade brasileira com nome diferente

COMPARTILHAR

Um documento brasileiro de José Luis Bogado Quevedo, ferido durante a festa Ja’umina em San Bernardino, com o qual circulava no Paraguai foi descoberto na segunda-feira. Nele, ele se identificou no Brasil como José Luiz Bogado González.

De acordo com o apurado pela Polícia Nacional, o suposto traficante de drogas José Luis Bogado Quevedo, um dos feridos a bala no tiroteio ocorrido no anfiteatro San Bernardino, estava transitando no país com um documento de identidade brasileiro com o qual se identificava como José Luiz Bogado González. O documento foi divulgado pelo portal Última Hora.

É um documento do Brasil, que foi emitido pela Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul em 23 de maio de 2019 e tem o número de identidade (RG) 2.598.376.
O procurador Federico Delfino tinha informado nesta segunda-feira que Bogado Quevedo estava a trabalhando no Paraguai como empresário na área de pecuária.

O representante do Ministério Público assegurou que, embora o homem tenha mandado de prisão por 30 processos abertos no Brasil e as autoridades do país vizinho o tenham acusado de ser líder de uma quadrilha criminosa que trafica drogas e armas internacionalmente, ele não tem casos pendentes no Paraguai.

Por sua vez, a promotora Angélica Insaurralde destacou que Bogado foi o principal alvo dos pistoleiros durante o tiroteio em São Bernardino, enquanto uma das vítimas fatais do evento, a influenciadora e modelo Cristina Aranda, além de outros ferimentos, foram vítimas colaterais da tragédia.

“A hipótese mais forte com a qual lidamos é que o alvo era Bogado e que Aranda era um dano colateral. Alguns dos feridos fariam parte de um dos grupos. Há indícios disso e há outros ferimentos que presumimos serem danos colaterais”, disse o promotor ao NPY. Enquanto isso, outro morto no tiroteio foi Marcos Rojas Mora, que também não está descartado que tenha sido alvo dos assassinos porque aparentemente tinha ligações com o tráfico de drogas.

José Luis Bogado Quevedo foi baleado durante o tiroteio no festival Ja’umina, que aconteceu no anfiteatro José Asunción Flores, em San Bernardino. Ele foi internado em um hospital particular em Assunção e está em estado grave, enquanto um grande contingente policial o vigia.

Na segunda-feira foi constatado que o suboficial Ramón Vargas, que presta serviços no Departamento de Ñeembucú, apagou o mandado de prisão do suposto narcotraficante da base de computadores da Polícia Nacional há quase um ano, mas recarregou a ordem de forma surpreendente no sistema ainda na segunda-feira, quando o caso Bogado se tornou público. O policial alegou que foi “por engano”.