Tarado do Corsa prata é preso após ataque no Aero Rancho

Tarado do Corsa prata é preso após ataque no Aero Rancho

COMPARTILHAR
Polícia quer saber se André fez outras vítimas (Foto: Divulgação)

A Polícia Civil autuou por crime de estupro pintor André Silva de Oliveira, 31 anos, acusado de ameaçar, arrastar e estuprar uma mulher de 23 anos, crime ocorrido por volta de 17h desta segunda-feira (26). O ataque aconteceu em um local ermo da Avenida Vereador Thyrson de Almeida, prolongamento da Ernesto Geisel, no Bairro Guanandi II. Apesar de ser reconhecido pela vítima, ter a placa de seu carro anotado quando fugia e impressões digitas da vítima serem encontradas em seu carro, André nega ter cometido o crime.

A delegada encarregada do caso, Fernanda Félix, Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher – DEAM, relata que a vítima caminhava normalmente quando foi abordada e questionada por um homem sem camisa de short xadrez se havia visto um relógio que caiu no chão. Ela respondeu não ter visto e seguiu a caminhada. Ocorreu que o acusado a seguiu, deu uma gravata na vítima e armado com um canivete arrastou a vítima para dentro do veículo Corsa prata com placas HSE-1231, que estava estacionado na Rua do Piano.

Colocada no banco traseiro a mulher ainda tentou fugir, mas foi novamente agarrada e ameaçada de morte empurrada para dentro do Corsa onde em seguida foi violentada. O maníaco só parou a ação quando seu celular passou a tocar e ele teria ficado nervoso ao aparecer no visor a palavra amor, indicando que a ligação era da mulher com quem é casado e possui dois filhos.

Conforme a delegada Fernanda, a vítima reconheceu André, que quando cometeu o ataque estava sem camisa. Como a vítima conseguiu memorizar a placa do carro e acionou a polícia, André foi preso em casa no mesmo dia, inclusive usando a mesma bermuda que trajava no momento do crime.
Ele nega o estupro alegado que saiu de casa por volta de 7h para levar a esposa no trabalho e depois foi pescar em um córrego junto com o tio e o primo. Ele chegou a afirmar para a polícia que no horário relatado pela vítima estava com a esposa, mas é desmentido por ela. Ainda conforme a delegada, impressões digitais da vítima foram encontradas no carro dele, que está apreendido.

A violência também foi confirmada através de exames realizados no IMOL (Instituto de Medicina e Odontologia Legal). “Não temos dúvida. Ele foi reconhecido pela vítima e no momento da prisão usava o mesmo short usado durante o crime”, define Fernanda Félix. A polícia ainda investiga a possibilidade de André ter feito mais vítima.