Transporte coletivo amanheceu parado nesta segunda-feira e pode parar de vez

Transporte coletivo amanheceu parado nesta segunda-feira e pode parar de vez

COMPARTILHAR
Profissionais podem estar sendo usados como "escudos" pelas empresas. (Foto: Direto das ruas)

Passageiros do transporte coletivo em Campo Grande, mais uma vez foram vítimas do “desencontro” entre o consórcio que explora o transporte, prefeitura, vereadores de Campo Grande e sindicato dos motoristas. Entre 5h e 7h, funcionários do sistema de transporte, a maioria motoristas, estiveram em assembleia discutindo lei sancionada na semana passada pelo prefeito Marcos Marcello Trad, a lei 6.481, que trata de alterações em itens do Sistema Municipal de Transporte e que também prevê, multa por descumprimento de regras, entre as quais horários, pelo Consórcio Guaicurus mesmo sem anuência das empresas.

Outra previsão da lei, é multa de forma remota pela fiscalização da Agetran, que consegue monitorar viagens e rotas em tempo real. Como as empresas teriam anunciado que as multas serão cobradas dos motoristas, a categoria se articulou para a assembleia na manhã desta segunda-feira.

Para o sindicato, a categoria escolheu a data e horário justamente para chamar a atenção do prefeito e vereadores pois a manutenção da lei pode fazer com que paguem para trabalhar. A categoria não afasta a possibilidade de parar geral até que o problema tenha solução com a revogação da lei ou proibição das empresas descontar as multas do salário dos trabalhadores.

Abrir para Vans e outros

Nos terminais e pontos de ônibus, milhares de passageiros revoltados com o problema, diziam que o transporte coletivo de Campo Grande só é de péssima qualidade, graças a omissão de vereadores e falta de atitude por parte da prefeitura. Para as pessoas, as empresas simplesmente “tomaram conta” do legislativo e executivo e assim tocam o serviço como bem entendem.

Para usuários, a prefeitura já devia ter adotado providencias sobre o transporte coletivo, no mínimo, acabando com o “monopólio” hoje existente, abrindo a cidade para o transporte através de lotação com Vans e micro ônibus. Com a formula, seriam mantidos postos de trabalho para motoristas e a população deixaria de ser a refém do atual sistema de transporte.