Três militares da FTC são mortos durante ataque a fazenda no Paraguai

Três militares da FTC são mortos durante ataque a fazenda no Paraguai

COMPARTILHAR
Homens da Força Tarefa Conjunta, na região. (Ilustração)

O porta-voz da Força Tarefa Conjunta (FTC) do Paraguai, Luis Apesteguía, confirmou três mortes na tarde desta quinta-feira (29) no novo atentado com explosivo registrado no norte do país. “Assim que tivermos a identidade dos falecidos, estaremos reportando”, disse ele à mídia.

Segundo informações recebidas pelo Relator Especial, uma bomba explodiu na estrada e em seguida os militares foram atacados a tiros. De acordo com o relatório preliminar, também há dois feridos. O Ministério Público Estadual nomeou os promotores Federico Delfino, Pablo Zarate, Arnaldo Arguello, Lorenzo Lezcano e Alicia Saprina para realizar a investigação do fato.

Sobre o episódio, Obdulia Frorenciano, mãe de Edelio Morínigo, sequestrado pelo EPP, confirmou que outro de seus filhos, Jacinto Morínigo Florenciano, trabalha como soldado na área e teme por sua vida. “O meu filho está com eles, faz um mês que está aí e não sei de nada. Dizem que há feridos e mortos”, disse ele à Rádio Ñandutí.

O irmão de Edelio tem apenas 22 anos. “Imploro que me dê informações, meu coração está em minhas mãos. Se eu não tiver informações, irei para lá. Ele é meu filho adorado”, acrescentou. O atentado acvonteceu na tarde desta quinta-feira na Estância La Yeya, localizada entre os Departamentos de San Pedro e Amambay. Em 2016, nas proximidades da Estância La Yeya, foi sequestrado o colono menonita Franz Wiebe, que no início de 2017 foi libertado na mesma área.