Três ministros são os alvos das críticas de Paulo Guedes que defende...

Três ministros são os alvos das críticas de Paulo Guedes que defende não aumento de gastos

COMPARTILHAR
Ministro Guedes. (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Três integrantes da cúpula do governo têm sido apontados, no meio político, como destinatários das críticas do ministro da Economia, Paulo Guedes, por pregarem o aumento dos gastos públicos. A expressão “ministros fura-teto” — usada pelo chefe da equipe econômica para alertar o presidente Jair Bolsonaro sobre o risco de a gastança lhe render um processo de impeachment — foi interpretada como recado aos titulares das pastas do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho; da Infraestrutura, Tarcísio Freitas; e da Casa Civil, Braga Netto.

Ao anunciar, na terça-feira, “debandada” em sua equipe, referindo-se a mais dois auxiliares que pediram demissão, Guedes deixou claro, sem citar nomes, que o presidente deve fazer uma escolha entre ele e os que defendem mais despesas e desrespeitam o teto de gastos, uma ferramenta fundamental para o equilíbrio das contas públicas.

Marinho, Freitas e Braga Netto, além de, com menos força, Luiz Eduardo Ramos, chefe da Secretaria de Governo, vêm tentando convencer Bolsonaro de que a abertura dos cofres para obras e programas sociais poderá garantir a reeleição em 2022. Seria uma forma de reação ao desgaste do governo, causado pelos números trágicos da pandemia.

“Não haverá nenhum apoio do Ministério da Economia a ministros fura-teto. Se tiver ministro fura-teto, eu vou brigar com o ministro fura-teto”, disse Guedes, na terça-feira, ao anunciar os pedidos de demissão dos secretários de Desestatização e Privatização, Salim Mattar, e de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel. Na ocasião, ele afirmou, também, que os “conselheiros do presidente que estão aconselhando a pular a cerca e furar teto vão levar o presidente para uma zona sombria, uma zona de impeachment, de irresponsabilidade fiscal”.

O pano de fundo desse embate é a gestação do programa Pró-Brasil, de cunho desenvolvimentista e que é similar ao PAC dos governos Lula. A “debandada” na Economia confirma a insatisfação da equipe com o programa, o que havia sido negado, há alguns meses, por Guedes e pelos demais ministros envolvidos na questão.

O clima ficou tão pesado que reacendeu os rumores sobre uma possível saída de Guedes do governo. Além da pressão pelo aumento de gastos, o ministro está descontente com a demora na apresentação da reforma administrativa, adiada para 2021 pelo presidente, e com os resultados pífios das privatizações.

Após Bolsonaro ter assegurado ao lado de ministros e dos presidentes das Casas do Congresso, que o teto de gastos será mantido, as atenções, agora, se voltam para o destino do Pró-Brasil e para a situação dos “ministros fura-teto”. Procurados pela reportagem, a Casa Civil, a Secretaria de Governo e os ministérios da Infraestrutura e do Desenvolvimento Regional não comentaram o assunto.

Fonte: Correio Braziliense