Venezuela decreta confinamento na Semana Santa devido à expansão da variante brasileira

Venezuela decreta confinamento na Semana Santa devido à expansão da variante brasileira

COMPARTILHAR

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenou neste domingo (21) a prorrogação do confinamento durante a Semana Santa para frear o avanço da variante brasileira do coronavírus, que já disparou os casos no país caribenho.

“Anuncio que a Semana Santa este ano será em uma quarentena radical novamente”, afirmou Maduro durante um discurso transmitido pela televisão estatal em que decretou 14 dias seguidos de confinamento a partir desta segunda-feira.

Em meio a um esquema que consiste em sete dias de relaxamento seguidos de sete de “quarentena radical”, Maduro, que se disse preocupado com a variante brasileira e com um “relaxamento” dos cidadãos, pediu um reforço do isolamento.

Embora a variante brasileira seja um “fator fundamental” no aumento de casos confirmados, o “fator multiplicador” é o “relaxamento das medidas de prevenção”, apontou o presidente, que questionou a proliferação de festas.

Na sexta-feira, o governo venezuelano alertou para a chegada de uma segunda onda de covid-19 mais contagiosa do que a registrada em 2020, em consequência da variante que surgiu no Brasil.

Sem detalhar o percentual, Maduro ressaltou que, por conta disso, “a ocupação de leitos hospitalares está aumentando” na Venezuela. Até sábado, o governo confirmou 150.306 infecções e 1.483 mortes no país de 30 milhões de habitantes, mas os números são questionados pela oposição e por organizações não governamentais.

A Venezuela iniciou sua campanha de vacinação em fevereiro com a vacina russa Sputnik V, tendo como prioridade profissionais de saúde e autoridades. Em março, também passou a aplicar a injeção da farmacêutica chinesa Sinopharm. Com a oposição, liderada por Juan Guaidó, foi acordada a liberação de 30 milhões de dólares para acessar vacinas pelo mecanismo Covax da OMS.