Vereador Veterinário Francisco destaca avanços na legislação com a aprovação do Programa...

Vereador Veterinário Francisco destaca avanços na legislação com a aprovação do Programa Animal Comunitário

COMPARTILHAR

A causa animal obteve mais uma vitória, na Sessão Ordinária da Câmara Municipal ao ser aprovado o projeto de lei que cria o Programa Animal Comunitário em Campo Grande. O atual Código de Polícia Administrativa e Código Sanitário Municipal, não permite a permanência de animais nas ruas, somente aqueles de pequeno porte e acompanhados por seus donos.

Com a criação do Programa Animal Comunitário, será permitida a permanência dos animais comunitários, desde que mantidos por tutores identificados e bem cuidados pela comunidade local. Serão considerados tutores do animal comunitário os responsáveis, os tratadores e os membros da comunidade que tenham estabelecido vínculos de afeto e dependência com o animal, e que se disponham voluntariamente a cuidar e respeitar os direitos deste animal.

Os tutores deverão se cadastrar na Subsecretaria de Bem-Estar Animal e arcarão com as despesas relativas aos cuidados com a higiene, saúde e alimentação dos animais comunitários, devendo zelar ainda com a limpeza do local onde esses animais se encontrarem. A Prefeitura também poderá incentivar cursos e campanhas de conscientização ao público sobre o Programa, estratégias para a melhoria do bem-estar animal, e parcerias com entidades de proteção animal para a execução da lei.

“Todas as ações, leis e projetos propostos, caminham para mudar a história da causa animal em Campo Grande, ampliando a proteção aos animais e trazendo mais responsabilidades aos tutores, faltando ainda implementação da UPA Veterinária para consolidar os resultados e as ações do Poder Executivo junto à causa animal”, salientou o Vereador Veterinário Francisco.

O Programa Animal Comunitário supre uma lacuna em nossa Cidade, onde existem muitos animais habitando as ruas e que recebem alimentação por caridade da população, mas sem nenhum tipo de regulamentação.

Fonte Assessoria