Vereadores aprovam requerimento ao MPE pedindo para que escolas não fechem

Vereadores aprovam requerimento ao MPE pedindo para que escolas não fechem

COMPARTILHAR
Câmara Municipal de Campo Grande
Câmara Municipal de Campo Grande

 

Vereadores da Câmara Municipal de Campo Grande estão cobrando o Governo do Estado para que escolas estaduais não sejam fechadas na cidade. Durante a sessão ordinária desta quinta-feira (20), foi aprovado requerimento, proposto pelo vereador Valdir Gomes, para que o Ministério Público Estadual solicite à Secretaria Estadual de Educação que suspenda o fechamento das escolas Riachuello, no Bairro Cabreúva, e Consuelo Muller, na Vila Jacy.  Estudantes estiveram presentes na Casa de Leis com faixas para protestar contra o fechamento dos colégios.

Os vereadores Valdir Gomes, Ademir Santana e Dharleng Campos reuniram-se com a secretária estadual de Educação, Maria Cecília Amendola da Motta para solicitar que os colégios não fossem fechados, mas não tiveram retorno positivo. “Estou aprovando requerimento encaminhado ao MPE para que cesse esse desmando da secretária”, disse.

Valdir Gomes é presidente da Comissão Permanente de Educação da Câmara e falou da importância de tratar esse assunto como prioridade. “Como professor e presidente da Comissão de Educação, não vou aceitar isso. Fui eleito para defender a educação”, disse. Ele mencionou que só na Escola Riachuello são 400 alunos, além de direção, professores e funcionários que oferecem trabalho diferenciado com jovens.

A vereadora Dharleng Campos também lamentou a decisão de fechar as escolas. “Ali há um modelo de ensino especial. Esses alunos terão de atravessar a cidade para outra escola e ali estão recebendo educação de qualidade”, disse.

O vereador Delegado Wellington, que já ministrou palestra na escola, também destacou a importância do tema. “Não precisamos que fechem escolas. Onde estão os alunos? Estão evadindo. Tenha meu total apoio nessa empreitada”, argumentou.

Já o vereador Ademir Santana alertou que esse mesmo problema repete-se no interior do Estado. “Ao invés de aumentar a demanda, vai diminuir, vai remanejar para escolas próximas e muitas delas para pessoa ir da Vila Jacy para Piratininga gasta quase duas horas no ônibus. Isso é absurdo”, destacou.