Vítimas de execução na Capital tinham várias anotações na polícia

Vítimas de execução na Capital tinham várias anotações na polícia

COMPARTILHAR
Arrancaram vítima da casa, para executá-la. (Ilustração)

As duas pessoas assassinadas nas últimas 24 horas em Campo Grande registravam antecedentes na polícia. Um deles, o maior número de ocorrência foi na cidade de Dois Irmãos do Buriti e também em Sidrolândia. Com a primeira vítima, cujo corpo foi achado quarta-feira, os problemas, a maioria casos de ameaças, ocorreram em Campo Grande.

Rodrigo Pereira de Oliveira, 25 anos, morto a tiros esta madrugada na Avenida Calógeras, centro de Campo Grande, tinha várias passagens pela polícia, inclusive na adolescência. Constam casos de lesão corporal, violência doméstica, tentativa de homicídio, ameaças, e brigas, quase todos em Dois Irmãos do Buriti, além de prisão por tráfico, briga e violência doméstica na cidade de Sidrolândia.

Quanto a Ailton Franco da Silva, 24 anos, encontrado morto, no fim da tarde de quarta-feira (11), em estrada vicinal na região da Avenida Guaicurus, são registros de ocorrências em que ele figura como autor de ameaças, muitos deles quando adolescente e que seguiram na maioridade também por crime de trânsito e prisão por furto.

Sequestro e morte

Conforme o registro do caso, a residência de Airton foi invadida por falsos policiais encapuzados, usando coletes e fortemente armados, inclusive com metralhadora e que o arrancaram da casa gritando que estava sendo preso, colocaram em um veículo Palio, e a partir de então a família não teve mais notícia do rapaz, sendo informada mais tarde, que ele não havia sido preso. No local onde o corpo foi encontrado por populares, uma rua secundária, a polícia recolheu cerca de 20 cápsulas de bala calibre 9 milímetros.