Trio preso pela morte do advogado Ricardo Zampieri é transferido para Cuiabá

Trio preso pela morte do advogado Ricardo Zampieri é transferido para Cuiabá

COMPARTILHAR

Antônio Gomes da Silva, Hedilerson Fialho Martins Barbosa e Maria Angélica Caixeta Gontijo, presos acusados no homicídio do advogado Ricardo Zampieri, foram transferidos de Minas Gerais para Cuiabá, este sábado (23), em aeronaves do Centro Integrado de Operações Aéreas da Segurança Pública (Ciopaer). Segundo as informações da assessoria de imprensa da Polícia Civil, o trio vai ser escoltado por equipes do órgão até a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) para os registros necessários na investigação e requisição de exames de corpo de delito. Após os exames, Antônio e Hedilerson serão encaminhados para a Penitenciária Central do Estado (PCE) e Maria vai para a Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto.

Prisões

Maria, apontada nas investigações da DHPP como a mandante do homicídio de Roberto, foi presa na quarta-feira (20), na cidade de Patos de Minas, por uma equipe da Polícia Civil de Mato Grosso, com apoio da delegacia do município. Encaminhada à delegacia de Patos de Minas, ela foi interrogada pelo delegado Caio Fernando Albuquerque e negou que tivesse encomendado o assassinato do advogado.

Antônio, o executor do crime, foi preso também na quarta-feira, na capital de Minas Gerais, com apoio do Departamento Estadual de Homicídios em Belo Horizonte. O executor foi preso na cidade de Santa Luzia, região metropolitana de Belo Horizonte, e encaminhado à capital, onde foi interrogado pelo delegado Edison Pick, da DHPP de Cuiabá.

Na sexta-feira (22), também com apoio do DHPP da Polícia Civil de Minas Gerais, foi cumprido o mandado de prisão contra o terceiro envolvido na morte do advogado. Hedilerson Fialho é apontado como o provável intermediador do crime, responsável por contratar o serviço e entregar a arma de fogo ao executor.

As investigações da Delegacia de Homicídios de Cuiabá apontaram que, após contratar o executor pelo valor de R$ 40 mil, o intermediário despachou uma pistola calibre 9 milímetros, registrada em seu nome, para Cuiabá, no dia 5 de dezembro, a mesma data em que ocorreu o crime. O encontro entre o intermediador e o executor para entrega da arma ocorreu em um hotel, onde os dois ficaram hospedados na capital mato-grossense.

Fonte: Gazeta Digital