Líderes da Câmara cancelam reunião com ministros diante de tensão entre Lira...

Líderes da Câmara cancelam reunião com ministros diante de tensão entre Lira e governo Lula

COMPARTILHAR

Em meio à tensão entre o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e o governo, líderes da Câmara cancelaram a reunião prevista para a tarde desta terça-feira, (6), com os ministros da Fazenda, Fernando Haddad, e das Relações Institucionais, Alexandre Padilha. O encontro serviria para traçar a agenda no Congresso com a retomada das atividades legislativas e discutir o teor da medida provisória que põe fim à política de desoneração da folha de pagamentos.

Segundo informações, não há clima para o encontro diante dos pontos de conflito entre governo e Lira. O alagoano tampouco estaria presente na ocasião. A tendência é de que a reunião ocorra após o carnaval, quando os parlamentares voltam em peso a Brasília que esta semana, deve ficar esvaziada a partir desta terça-feira, 6, por causa do carnaval.

Ontem, durante a sessão de abertura do ano legislativo, Lira deu um recado forte ao governo federal, cobrou respeito ao que chamou de “acordos firmados” e disse que aprovações de propostas do Executivo em 2023 “será a tônica de 2024?, desde que prevaleça o que ele chamou de “exemplo de boa política e honradez com os compromissos assumidos”.

O deputado afirmou que o Orçamento da União “pertence a todos, não apenas ao Executivo”. Ele também criticou o que chamou de “burocracia técnica” na distribuição dos recursos e disse que deputados e senadores têm mais conhecimento das necessidades de cada município para definir para onde vai o dinheiro. O tom enfático do discurso foi incluído às vésperas da leitura do pronunciamento, segundo apurou a reportagem. O recado claro foi dado em meio aos novos focos de tensão que foram abertos entre governo e Legislativo desde o fim do ano passado.

O governo Lula e o Congresso disputam a solução de um pacote de medidas que mexe no interesse das duas partes em 2024. Lula vetou o calendário de pagamento de emendas para 2024 – que reduz o poder do governo e aumenta o do Legislativo – na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão no Orçamento deste ano. Parlamentares ameaçam derrubar os dois vetos para garantir recursos a suas bases eleitorais.