Coletivas do prefeito Marquinhos Trad aglomerando pessoas revolta jornalistas

Coletivas do prefeito Marquinhos Trad aglomerando pessoas revolta jornalistas

COMPARTILHAR
A gota d'agua para a categoria, mostra o "distanciamento". (Fotos: Álvaro Resende.

O contraditório hábito do prefeito Marcos Marcello Trad, o Marquinhos, de promover aglomeração de assessores, secretários e demais apoiadores em entrevistas coletivas concentrando grande número de jornalistas, está provocando medo e revolta junto aos profissionais em Campo Grande. O temor se agrava por conta de profissionais de comunicação que já morreram e vários em tratamento, alguns internados e ou intubados por conta da covid 19.

O prefeito ao mesmo tempo em que determina uma série de medidas preventivas, fechamento do comércio, combate à festas ou festinhas mesmo que com 10/12 pessoas que já resultou em prisão inclusive de policial, convoca coletivas sem que adote a menor providência de distanciamento ou qualquer outra medida sanitária ao menos parecida com as que exige de estabelecimentos comerciais – álcool em gel, aferição de temperatura, distanciamento – e principalmente redução do número de papagaios de pirata que se espremem no entorno do prefeito e sobre cinegrafistas, fotógrafos e entrevistadores com único objetivo de serem vistos nas imagens, por sinal deploráveis, no momento que a pandemia se mostra uma tragédia sem controle.

Os profissionais sugerem que o prefeito que manda o povo se distanciar, mas promove aglomeração aparentemente por glamour, providencie para suas coletivas sejam elas onde bem entender, púlpitos, fitas ou grades separadoras, equipamentos que o possibilite falar e ouvir as perguntas dos jornalistas, mas distante das pessoas. No momento de temor, é inclusive lembrado que o prefeito e sua equipe – secretários, assessores e admiradores – não convoca jornalistas para visitas à UPAS e outros setores da administração em crise nesse momento trágico da pandemia.

Além do prefeito, os profissionais em perigo clamam por alguma providência maior que notas de apoio por parte do sindicato da categoria. Em alguns casos a assessoria do município afirma que o prefeito não convocou coletiva ou anunciou sua presença em determinado local, mas não explica a coincidência de quando ele chega, como ocorreu ontem, é “surpreendido” por dezenas de jornalistas no local. São jornalistas que foram pautados por seus editores que por sua vez cumpriram determinação dos patrões para acompanharem a importante manifestação sobre determinado assunto.

No período mais trágico da pandemia, ato do prefeito é tomado como descaso com as pessoas.