Empresário Camargo Calçados compra álcool gel para distribuir para quem trabalha na...

Empresário Camargo Calçados compra álcool gel para distribuir para quem trabalha na Ceasa

COMPARTILHAR

Durante uma crise, há quem enxergue o momento como uma oportunidade para lucrar e, outros, para ajudar o próximo. Dono de uma indústria de cintos e carteiras, de duas lojas de calçados e acessórios e que atua como representante comercial das marcas de calçados Bello Boy (masculino) e Pé de Moça (feminino) em Campo Grande (MS), o empresário João Batista de Camargo Filho, mais conhecido como “Camargo Calçados”, faz parte do segundo time.

Morador da região norte da Capital, João Batista de Camargo tem uma loja de calçados dentro da Ceasa (Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul) e foi lá que ele distribuiu 20 litros de álcool em gel que adquiriu com recursos próprios para ajudar os comerciantes e carregadores que trabalham no local todos os dias. “Colocamos os frascos com álcool em gel à disposição em algumas lojas dentro da Ceasa e também nos locais onde ficam concentrados os carregadores para que todos possam utilizar para higienizar as mãos”, informou.

Ele revela que está acompanhando todos os dias nos telejornais, nos programas de rádio e nos grupos de Internet informações de que as pessoas não estavam conseguindo comprar álcool em gel e aquelas que conseguiam estavam pagando valores exorbitantes. “Por isso, usei os meus contatos junto a empresas de limpeza aqui de Campo Grande e consegui comprar 20 litros de álcool em gel para ajudar os meus colegas comerciantes da Ceasa e, principalmente, os carregadores, que não têm condições financeiras para comprar o produto”, disse.

Camargo Calçados conta que muitos comerciantes da Ceasa pensam que ele está comercializando o produto e querem pagar pelo litro de álcool em gel. “Quando eu explico, todo mundo acha estranho o fato de que seja uma doação e não uma venda. Eu acho meio absurdo alguém querer se aproveitar de uma situação em um momento que a gente deveria se unir e um cuidar do outro para que isso passe logo. Mesmo sendo empresário, o cuidar vem antes do lucrar”, ressaltou, referindo-se ao avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) em Campo Grande.

O empresário completa que as palavras ensinam, mas o exemplo arrasta e espera que mais pessoas que tiverem condições financeiras possam fazer o mesmo em todos os cantos da Capital. “São em momentos como esse que nós temos de deixar transparecer o nosso lado mais humano. Dinheiro a gente consegue ganhar depois, vidas, depois que elas são perdidas, não têm mais como recuperá-las. Por isso, espero que o meu exemplo seja copiado por mais empresários”, finalizou.

Com Assessoria