Líder do “bando do chapéu” estava equipado para matar ou morrer

Líder do “bando do chapéu” estava equipado para matar ou morrer

COMPARTILHAR

Antônio Júlio da Silva, 54 anos, o “Velho do PCC” ou “Andorinha”, foragido do Presídio de Segurança Máxima e líder de uma quadrilha de assaltantes conhecida como “bando do chapéu”, que morreu nesse domingo em confronto com policiais militares do Batalhão de Choque, estava preparado para matar ou morrer diante de qualquer que fosse a abordagem policial. Depois de escapar de um confronto no último dia 10, também com o Choque em que portando armas de guerra, dois comparsas dele morreram na região do anel viário da saída para Rochedo, ele estava pronto para guerra com arma 9 milímetros, carregador (pente) alongado e ainda reserva de carregador e munição 9 milímetros.

“Andorinha” era foragido da Máxima.

Na tarde de ontem o Batalhão de Choque foi alertado que dois homens fortemente armados estariam nas proximidades de uma fazenda na margem da rodovia MS-352, acesso ao Distrito do Taboco. Por volta de 18h uma equipe se aproximava do local indicado e avistou dois indivíduos que ao notar a polícia inicialmente correram, mas um deles atirou na direção dos policiais que revidaram, ele seguiu em fuga até novamente atirar e no revide ser atingido. Ainda vivo, foi socorrido ao Centro der Saúde de Rochedo, mas chegou morto.

Arma munições e acessório apreendidas para perícia.

Preparado para matar

Tanto para a Polícia Militar como para o delegado que atendeu o caso, Roberto Duarte Faria, da Delegacia de Corguinho, Antônio Júlio estava preparado para matar quem se aproximasse, ou morrer. “Andorinha” estava armado com uma pistola Taurus calibre 9 milímetros, de uso restrito e o agravante da numeração raspada. Além disso, a arma estava equipada com carregador alongado ampliando a capacidade para 30 balas, das quais quase a metade foi disparada contra os policiais restando apenas 12 intactas,
uma delas na câmara (agulha) e carregador com 10 munições. O comparsa de “Andorinha” conseguiu fugir pela mata e como o chefe, está sendo procurado.

Armamento de guerra apreendido no primeiro confronto com o grupo.