Mais um envolvido no sequestro de família no Jardim Europa é preso

Mais um envolvido no sequestro de família no Jardim Europa é preso

COMPARTILHAR

Antônio Coca

Em continuidade às investigações na caça aos integrantes da quadrilha que sequestrou uma família na última quarta-feira em Dourados, após cerco realizado pela Polícia Civil através do SIG, Wanderson Romero Barbier, que na companhia de Raimundo Gabriel e Gabriel Costa atacou a família no Bairro Jardim Europa e ao fugir sequestrou as vítimas, entregou-se nesta manhã, confessando a sua atuação no crime.

A investigação do SIG apurou que a namorada de Wanderson, uma menor com 17 anos, no dia do crime foi até o Paraguai e trouxe um revólver calibre 38, ao que indicam as investigações foi utilizado no crime. O SIG apurou ainda que outros quatro roubos contra residências foram praticados pela quadrilha nos últimos 40 dias e também um roubo a empresa.

Adriano da Rocha, motorista de um aplicativo de transporte, seria o indivíduo encarregado de apontar os locais a serem roubados pelo bando. Assim, Adriano saberia a rotina da maioria das vítimas, possuindo informações privilegiadas sobre elas.

O primeiro roubo da quadrilha foi contra uma família residente na Rua Cafelândia, Jardim Água Boa, sendo a família amarrada para os ladrões empreenderem fuga, sendo que, além de outros bens, foi roubado um veículo HB20, posteriormente abandonado. O segundo foi contra uma família residente no Bairro Parque das Nações I, sendo roubada uma camionete Ford F-1000, que em seguida foi abandonada.

O terceiro assalto, com igual modo de atuação, foi em uma residência localizada no Residencial Estrela do Leste, de onde foi roubado um Ford Ka, também abandonado. O quarto roubo foi contra uma família residente no Bairro Jardim América, sendo que, além de vários bens, foi roubado HB20, abandonado na Aldeia Jaguapiru.

O quinto ataque da quadrilha foi em uma empresa de reciclagem no Centro, tendo os ladrões roubado um veículo Peugeot 208 e outros bens, sendo o veículo abandonado logo após a execução do crime, sendo que Adriano Rocha resgatava os comparsas após eles abandonarem os veículos. No roubo praticado no dia 14 a quadrilha mudou o método de ação e roubou a camionete da família, pois seria vendida no Paraguai.

Adriano Rocha, além de um GM Agile, cor prata, utilizava outros automóveis emprestados de amigos e familiares para a prática dos assaltos. Inclusive, a quadrilha, integrada por outros indivíduos, conforme investigação em andamento, teria praticado ao menos dois roubos em Campo Grande.