Operação termina na destruição de 476,8 toneladas de maconha no Paraguai

Operação termina na destruição de 476,8 toneladas de maconha no Paraguai

COMPARTILHAR
Fogo, é a principal arma na destruição.

Antônio Coca

Após 10 dias de incursões permanentes na Reserva Natural de Morombí, na fronteira entre os departamentos de Caaguazú e Canindeyú, culminou a Operação Caaguazú – Canindeyú II, que buscava atacar centros de produção de drogas estabelecidos por estruturas de narcotráfico no interior do país.

Florestas protegidas

Muitos acampamentos nas áreas

O SENAD, o Ministério Público, a Força Aérea, o INFONA e a Comissão de Prevenção, que lutam contra o narcotráfico e os delitos, realizaram intervenções aéreas e terrestres que permitiram a identificação e destruição de pelo menos 155 Hectares de plantações de maconha e 49 campos que Narcoprodutores prepararam com toda a logística para o processamento de grandes volumes de maconha.

Da mesma forma, 11 mil 830 quilos de maconha picada, 36 prensas, 5 quilos de maconha prensada e 165 quilos de sementes de drogas foram encontrados e cremados. As ações foram acompanhadas pelo promotor Osvaldo García.

Força Aérea na localização de plantações e transporte de tropas

De acordo com cálculos estimados, com todas as ações mencionadas nessa operação, pelo menos 476 mil 830 quilos de maconha pronta para comércio foram interceptados e destruídos. Os narcoprodutores e traficantes tiveram um prejuízo estimado em mais de 14 milhões de dólares. Esse tipo de operação busca desencorajar a entrada contínua de estruturas criminosas nas reservas naturais, destruindo floresta para a produção de drogas.