Polícia age contra “bando” de Minotauro na fronteira

Polícia age contra “bando” de Minotauro na fronteira

COMPARTILHAR
Aliados de traficante ocupariam mansões na fronteira

Antônio Coca

Uma ação da Polícia Nacional do Paraguai que tem como alvo pistoleiros que trabalhavam para o traficante brasileiro Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, o Minotauro, que foi preso pela Polícia Federal na segunda-feira (4) em Balneário Camboriú (SC) já prendeu pelo menos 11 pessoas que estariam envolvidos em uma série de assassinatos ocorridos nos últimos meses em Ponta Porã e Pedro Juan Caballero.

Durante a operação foram apreendidas diversas armas e uma grande número de munições, diversos celulares e até carros blindados. Um dos alvos dos policiais paraguaios morava em uma casa de luxo no bairro Defensores Del Chaco e a maioria dos detidos é de brasileiros que fazem parte de uma organização criminosa. Autoridades paraguaias disseram quem as prisões de hoje visam desarticular a quadrilha de Minotauro e contaram com a colaboração da Polícia Federal brasileira resultado da troca de informações entre os dois países.

Entre as vítimas dos pistoleiros presos hoje estariam os executores da advogada argentina Laura Casuso que era defensora de Jarvis Gimenez Pavão, do tio dele Chico Gimenez e do policial civil Wescley Dias Vasconcelos. A Polícia Nacional do Paraguai deverá dar mais detalhes desta operação durante esta quinta-feira. Os nomes dos presos ainda não foram divulgados.

Conforto e ostentação, a marca maior