Polícia conclui que não houve crime político em morte do tesoureiro do...

Polícia conclui que não houve crime político em morte do tesoureiro do PT

COMPARTILHAR
Autor do crime segue internado.

A Polícia Civil do Paraná indiciou, nesta quinta-feira (14), o bolsonarista Jorge Guaranho por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e causar perigo comum pela morte do tesoureiro do PT Marcelo Arruda em Foz do Iguaçu. A conclusão da polícia é de que não houve motivação política no crime. De acordo com a delegada responsável pelo caso, Camila Cecconello, em coletiva de imprensa, nesta sexta-feira (15), para enquadrar em crime político seria necessário provar que o assassino queria impedir os direitos políticos da vítima.

Marcelo Arruda foi morto no domingo (10/7) na própria festa de aniversário que tinha como tema o ex-presidente Lula e o PT. Jorge Guaranho também foi baleado e ainda está no hospital. Segundo a delegada, Guaranho recebeu a informação sobre a festa temática quando estava em um churrasco.

Após sair do evento, ele teria ido ver a movimentação da festa. Lá, ele teria colocado para tocar no carro uma música em apoio ao presidente Bolsonaro. Nisso, Marcelo Arruda saiu da festa e começou a discussão. Guaranho então foi embora, mas resolveu voltar. Foi quando ele teria entrado na festa e apontado a arma para Arruda. O petista também sacou sua arma teria apontado para o bolsonarista.

O primeiro disparo teria sido feito por Guaranho, que em seguida também atirou acertando um tiro em Arruda. Durante o inquérito, a polícia ouviu 17 pessoas e vídeos das câmeras de segurança foram analisados. As imagens mostram os dois trocando tiros. Agora, o Ministério Público do estado deverá fazer a denúncia para ser instaurado o processo.