Procon Estadual autuou supermercado que vendia centenas de produtos vencidos no Itamaracá

Procon Estadual autuou supermercado que vendia centenas de produtos vencidos no Itamaracá

COMPARTILHAR
Mercadoria que colocavam em risco a saúde do consumidor foram inutilizadas.

O Supermercado Campesino, localizado na rua João Lemes de Rezende, no Jardim Itamaracá, foi autuado por equipe de fiscalização da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS, após constatação de diversas irregularidades que depõem contra a boa relação de consumo e coloca em risco a saúde do consumidor.

Entre os problemas constatados estão a falta de preços dos produtos comercializados no açougue, itens expostos à comercialização com prazo de validade vencido, impróprios para o consumo devido a problemas de embalagem ou armazenamento errôneo, tais como falta de vácuo, cor escurecida ou embalagem rompida. Produtos com ampla variedade que vão de cereais, frigoríficos e bebidas.

A fiscalização do Procon Estadual encontrou, por exemplo, 103 quilos de farinha de trigo vencidas no mês passado, 75 embalagens de temperos diversos, 30 unidades de shampoo, 32 de água oxigenada 20 volumes além de vinagre, café solúvel, cappuccino, manteiga, guaraná em pó, chocolate, leite sem lactose e linguiça, todos com prazo de validade expirada.

Entre os impróprios para o consumo por estarem com embalagem rompida, apresentando coloração esverdeada e sem vácuo, estavam expostos linguiça, ração para cães e gatos, ovos e molho de pimenta. Todos os itens encontrados fora das especificações corretas foram descartados e inutilizados de forma a não poderem voltar para as prateleiras.

A ação da fiscalização ocorreu em atendimento a denúncias de consumidores que, ao verificarem a falta de condições dos produtos, se dirigiram ao Procon Estadual. A orientação é que se sentir prejudicado, o consumidor não deixe de fazer sua reclamação. São vários os caminhos que podem ser seguidos: telefone 151 ou 3316 0800, watsapp 99158 0888 em no site Procon.ms.gov.br, por meio do “fale conosco” e, agora, através do “faça aqui sua reclamação”.