Trabalhadores indígenas de MS seguem para colheita de maçã no Sul do...

Trabalhadores indígenas de MS seguem para colheita de maçã no Sul do país

COMPARTILHAR
Indígenas de MS no Sul do País. (Foto: RBS/Reprodução)

A Fundação do Trabalho de Mato Grosso do Sul (Funtrab) embarcou neste início de ano os primeiros trabalhadores indígenas para colheita de maçã nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. 

Os trabalhadores são das etnias Guarani-Kaiowá e Terena das aldeias Amambai e Limão Verde, do município de Amambai, e das aldeias de Aquidauana, Miranda e Iguatemi. Estão cadastrados para o embarque 1.000 trabalhadores. As empresas seguem com as contratações até o fim de janeiro. A colheita da safra 2021 será de janeiro a maio deste ano. As vagas são temporárias e os indígenas irão colher, selecionar e encaixotar as frutas.

A Funtrab realiza essa ação desde 2015, por meio de uma parceria entre Governo do Estado, Ministério Público do Trabalho (MPT) e Comissão Permanente de Investigação e Fiscalização das Condições de Trabalho e Coletivo dos Trabalhadores Indígenas. Na safra 2019/2020 foram contratados 5.163 trabalhadores indígenas do Estado.  

Responsável pela intermediação da mão de obra, a Funtrab realizou diversas ações em 2020 como reuniões, orientações e a criação de um protocolo com as condições das contratações, garantindo segurança jurídica e medidas preventivas contra o contágio do Covid-19.

Os compromissos são: recrutamento diferenciado, triagem para saber se há algum trabalhador com suspeita de Covid-19, transporte adequado, alojamento, refeitório e área de convivência readaptado, uso de máscara, álcool em gel, aferição de temperatura, distanciamento de 1,10 metro, controle na entrada das fazendas e, em casos suspeitos, testagem e acompanhamento. 

Além dos protocolos de biossegurança, tudo será feito com segurança jurídica no regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). As empresas pagam o salário-base, mas o rendimento bruto pode variar de acordo com as vantagens oferecidas, como gratificação por produtividade. A remuneração pode chegar a R$ 3 mil. Os indígenas contratados recebem ainda o transporte (ida e retorno), alimentação, alojamento e cesta básica.

Fonte: Funtrab